Em uma publicação no Twitter, Pavel Durov escreveu que problemas coincidem com protestos em Hong Kong.

Telegram, aplicativo de mensagens — Foto: Divulgação/Telegram
Telegram, aplicativo de mensagens — Foto: Divulgação/Telegram

O fundador do Telegram, Pavel Durov, atribuiu a instabilidade registrada no aplicativo de mensagens na última quarta-feira (12) à China. Em uma publicação no Twitter, ele relacionou os ataques aos protestos realizados em Hong Kong.

Questionado sobre a origem dos ataques DDoS registrados, Durov apontou que foram identificados IPs “principalmente da China”, coincidindo com o acontecimento das manifestações. “Este caso não foi uma exceção”, escreveu.

Pavel Durov, fundador do Telegram, disse no Twitter que há registros de ataques com IPs chineses. — Foto: Reprodução/Twitter
Pavel Durov, fundador do Telegram, disse no Twitter que há registros de ataques com IPs chineses. — Foto: Reprodução/Twitter

A população de Hong Kong tomou as ruas na última quarta-feira em protesto contra a lei que autoriza que pessoas sejam extraditadas para a China continental para serem julgadas. As manifestações são organizadas via aplicativos com mensagens criptografadas, como o Telegram.

Por isso, a declaração de Durov aponta para a possibilidade de o governo chinês estar tentando interromper o serviço para limitar a organização dos manifestantes – que também utilizam de máscaras para burlarem sistemas de reconhecimento facial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui